O BlogBESSS...

Bem-Vindos!


Blog ou Blogue, na grafia portuguesa, é uma abreviatura de Weblog. Estes sítios permitem a publicação e a constante atualização de artigos ou "posts", que são, em geral, organizados através de etiquetas (temas) e de forma cronológica inversa.


A possibilidade de os leitores e autores deixarem comentários, de forma sequencial e interativa, corresponde à natureza essencial dos blogues
e por isso, o elemento central do presente projeto da Biblioteca Escolar (BE).


O BlogBESSS é um espaço virtual de informação e de partilha de leituras e ideias. Aberto à comunidade educativa da ESSS e a todos os que pretendam contribuir para a concretização dos objetivos da BE:

1. Promover a leitura e as literacias;

2. Apoiar o desenvolvimento curricular;

3. Valorizar a BE como elemento integrante do Projeto Educativo;

4. Abrir a BE à comunidade local.


De acordo com a sua natureza e integrando os referidos objetivos, o BlogBESSS corresponde a uma proposta de aprendizagem colaborativa e de construção coletiva do Conhecimento, incentivando ao mesmo tempo a utilização/fruição dos recursos existentes na BE.


Colabore nos Projetos "Autor do Mês..." (Para saber como colaborar deverá ler a mensagem de 20 de fevereiro de 2009) e "Leituras Soltas..."
(Leia a mensagem de 10 de abril de 2009).


Não se esqueça, ainda, de ler as regras de utilização do
BlogBESSS e as indicações de "Como Comentar.." nas mensagens de 10 de fevereiro de 2009.


A Biblioteca Escolar da ESSS


PS - Uma leitura interessante sobre a convergência entre as Bibliotecas e os Blogues é o texto de Moreno Albuquerque de Barros - Blogs e Bibliotecários.

terça-feira, 30 de janeiro de 2018

Cenário de Resposta - Texto Argumentativo


A importância da esperança

          Entre as variadas emoções com grande peso na vida humana destaca-se a esperança – uma disposição do espírito que pressupõe confiança de que algo se irá realizar. A esperança requer otimismo e perseverança face às adversidades que inevitavelmente irão surgir. Perder a esperança traduz-se na perda da força que nos move adiante nos momentos mais difíceis.
         Toda a gente se depara com dificuldades e fracassos ao longo da vida. Isso é uma verdade absoluta, pelo que não é produtivo focarmo-nos naquilo que correu mal a ponto de não conseguirmos continuar com a vida. É preciso ter coragem para reconhecer as dificuldades, para de seguida avançar com um plano. Ter esperança e não fazer qualquer esforço para conquistar os objetivos não é o caminho que nos é exigido. Tomemos o exemplo dqueles que lutaram contra o Estado Novo em Portugal. Infelizes com a sua realidade, tinham consciência de que a luta não seria fácil, mas não cederam aos seus medos e às suas dúvidas. Alguns capitães fizeram reuniões clandestinas, as quais deram origem ao Movimento das Forças Armadas, o movimento militar responsável por derrubar o regime autoritário do Estado Novo e instaurar a democracia em 25 de abril de 1974. Conquistaram o medo das consequências que poderiam surgir após a sua desobediência, movidos por sentimentos de revolta e pela esperança de um futuro melhor.
Existe uma diferença entre expectativa e esperança. Uma expectativa é temporária, um sentimento forte de que algo deveria acontecer no futuro e que conduz, muitas vezes, à desilusão. Não sentimos grande alegria quando uma expectativa é cumprida, pois partimos do princípio de que tal era suposto acontecer, que era um direito nosso. Mas quando algo não progride de acordo com o esperado, a deceção é nítida. Por outro lado, a esperança é permanente e torna-nos fortes para seguir em frente, movidos por um desejo de algo maior. Não é algo que tomamos como garantido, pelo que, quando se realiza, traz uma grande felicidade. Como exemplo, podemos indicar a esperança de que uma empresa que abrimos poderá ser bem sucedida, enquanto trabalhamos para que ela progrida com um objetivo maior em mente. No entanto, não devemos acreditar que o sucesso nos é garantido, não ter apenas a expectativa de que temos o direito ao sucesso, pois isso só levar-nos-ia à frustração nos momentos de dificuldade. Devemos, sim, ter uma atitude humilde e crítica para aceitar as falhas e analisar o que poderia ser feito para melhorar o resultado.
         A esperança, embora importante para atingir os nossos objetivos, não é suficiente se não for aliada à perseverança e a uma atitude de autorreflexão acerca daquilo que correu mal e que pode ser melhorado.

Trabalho realizado pela aluna Oleksandra Sokolan (12º ano B)
Prof. João Morais