O BlogBESSS...

Bem-Vindos!


Blog ou Blogue, na grafia portuguesa, é uma abreviatura de Weblog. Estes sítios permitem a publicação e a constante atualização de artigos ou "posts", que são, em geral, organizados através de etiquetas (temas) e de forma cronológica inversa.


A possibilidade de os leitores e autores deixarem comentários, de forma sequencial e interativa, corresponde à natureza essencial dos blogues
e por isso, o elemento central do presente projeto da Biblioteca Escolar (BE).


O BlogBESSS é um espaço virtual de informação e de partilha de leituras e ideias. Aberto à comunidade educativa da ESSS e a todos os que pretendam contribuir para a concretização dos objetivos da BE:

1. Promover a leitura e as literacias;

2. Apoiar o desenvolvimento curricular;

3. Valorizar a BE como elemento integrante do Projeto Educativo;

4. Abrir a BE à comunidade local.


De acordo com a sua natureza e integrando os referidos objetivos, o BlogBESSS corresponde a uma proposta de aprendizagem colaborativa e de construção coletiva do Conhecimento, incentivando ao mesmo tempo a utilização/fruição dos recursos existentes na BE.


Colabore nos Projetos "Autor do Mês..." (Para saber como colaborar deverá ler a mensagem de 20 de fevereiro de 2009) e "Leituras Soltas..."
(Leia a mensagem de 10 de abril de 2009).


Não se esqueça, ainda, de ler as regras de utilização do
BlogBESSS e as indicações de "Como Comentar.." nas mensagens de 10 de fevereiro de 2009.


A Biblioteca Escolar da ESSS


PS - Uma leitura interessante sobre a convergência entre as Bibliotecas e os Blogues é o texto de Moreno Albuquerque de Barros - Blogs e Bibliotecários.

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

A Farsa de Inês Pereira: um divertimento sério

A Farsa de Inês Pereira tem uma função edificante, visando a mesma peça criticar certos comportamentos sociais e as ações das instituições pela sua correção. Gil Vicente utiliza o cómico como meio para realizar a crítica, juntamente com a representação de personagens-tipo. 

Pero Marques, que representa o burguês endinheirado do meio rural, é criticado pela sua ignorância, a falta de cultura e o desconhecimento das regras de convivência citadinas. Para realizar esta crítica, há momentos de comicidade como o facto de ele não saber com utilizar uma cadeira e a sua confusão perante dois significados do verbo sair mostrando a sua falta de nível intelectual.

O Escudeiro, pertencente á baixa nobreza, é criticado pela sua arrogância quando, no entanto, é um cobarde e seus comportamentos irão contrastar com a cobardia que acabará por revelar. É, ainda, denunciada a sua falsidade para atingir o seu objetivo que é ascender de nível económico. Essa falsidade é evidenciada pelo facto de se fazer parecer um homem honesto e bondoso e, após casar com Inês, revelar a sua verdadeira faceta como opressor e autoritário. O cómico também está presente na crítica ao Escudeiro, mais especificamente, na ironia utilizada pelo Moço nos seus diálogos e pela sua morte causada por um pastor enquanto fugia de uma batalha contra os Mouros no norte de África.

O Ermitão, representante do clero, é criticado pelo incumprimento do celibato levando Inês Pereira a praticar o adultério. Também nesta crítica existe o cómico perante a ingenuidade de Pero Marques, que não se apercebe do que acontece.

Podemos concluir que na Farsa de Inês Pereira existe ao mesmo tempo a sátira e o cómico, o segundo provocando-nos o riso e o primeiro fazendo-nos pensar nas ações erradas de cada personagem representativa de um grupo social ou instituição da sociedade, cumprindo a peça o objetivo da sátira, que é moralizar através do ridículo.

Autor:  João Carrajana, 10ºB 
Prof. João Morais

Sem comentários:

Enviar um comentário